ARTIGOS

A Importância do Projeto de Paisagismo


Deve-se enfatizar junto aos clientes a necessidade de se realizar um projeto paisagístico completo em vez de se partir para a execução do jardim baseado apenas em um rápido esboço. Certamente, alguns irão argumentar que não é preciso, pois são muitos detalhes que aumentam o custo e desperdiçam tempo. Entretanto, as grandes diferenças vistas nos resultados finais e na renovada satisfação do cliente provam que o que merece ser feito tem de ser bem feito.

Um projeto paisagístico sempre leva em conta: o estilo arquitetônico daquele ambiente, o seu clima predominante, as características do solo, a topografia, a disponibilidade hídrica, a beleza das plantas e a presença de crianças, adultos ou animais domésticos. Enfim, tudo o que se espera desse jardim.

Para atingir esses objetivos, torna-se absolutamente necessária uma perfeita comunicação entre cliente e profissional. É importante que, além de visitar a obra, o profissional se preocupe em promover uma longa conversa com o cliente, pois ele tem de compreender exatamente seus os sonhos e desejos. O talento e a sensibilidade do paisagista capacita-o a perceber inclusive detalhes não expressos diretamente.

É elaborado, então, um anteprojeto para que sejam discutidos os pormenores da execução e objetivos finais da obra. O intuito é sempre ser fiel ao compromisso entre a intenção do proprietário e arte do paisagista. Para aqueles que tem dificuldade em imaginar o resultado final, principalmente por não conhecerem todas as plantas e materiais sugeridos, devemos contar com as fotos das espécies, vasos e materiais expostos neste anteprojeto. A experiência profissional permite ainda sugerir novas idéias, que oferecem beleza, funcionalidade e simplificação nos procedimentos de manutenção.

Por fim, ninguém vai negar a prioridade de se conhecer com precisão os gastos e o custo final de execução da obra. Aqui, eles podem ser reajustados variando-se, por exemplo, o porte de algumas plantas. Só a elaboração de um completo projeto fornece esses dados e a possibilidade de calcular com precisão os custos do jardim.

Após a apresentação, discussão e ajustes no anteprojeto, o paisagista irá elaborar o projeto executivo. Ele se diferencia do anterior porque possui, além de precisão na escala, todos os elementos necessários à inteira compreensão e execução.

O cliente começa a ter certeza de que as suas idéias foram traduzidas em um desenho e a seguir serão materializadas. Reunimos, então, condições para um resultado satisfatório. Com a implantação do jardim, o que estava no desenho vai se tornando realidade.

Gratificante tarefa.


Visite o Blog

Blog Anavilhana


São vários artigos sobre plantas, decoração, manutenção de jardins e muito mais. Neste blog Rosalba pretende compartilhar seus conhecimentos com todos os apaixonados por plantas. 


Clique aqui para visitar o Blog Anavilhana



Mundo Husqvarna


Espécies Vegetais 


Conheça algumas das espécies que usamos em nossos jardins.


Clique aqui para visitar


Manutenção de jardins – Pragas


Os cupins são uma ameaça sempre presente em nossos jardins. Ficam ainda mais danosos em jardins recém-implantados. A grama nova, tenra, está para o cupim assim como o açúcar está para as formigas. O controle de cupins deve ser feito no máximo dentro de 15 dias após o plantio da grama.

Algumas outras espécies também são atacadas por cupins. Através da descupinização do gramado combatemos também os cupins que prejudicam as demais plantas.  A freqüência do uso de cupinicidas gira em torno de 3 a 6 meses.

Existem vários cupinicidas no mercado e os mais seguros são os seletivos, ou seja, os que visam controlar somente a espécie danosa.

Formigas cortadeiras (saúvas e quenquéns) também aparecem para visitar o novo jardim. Fique atento a elas. Para combatê-las existem defensivos e também receitas caseiras e menos tóxicas.

Caramujos produzem um bom estrago nas plantas. Comem as folhas durante a noite. A catação manual é eficaz evita a necessidade de aplicação de veneno. Pulgões e cochonilhas costumam aparecer em plantas com algum tipo de estresse: falta de água, luminosidade deficiente, falta d’água e nutrientes. A calda de fumo é umas das maneiras de controlá-los. Outra é usando óleo mineral (um defensivo).

Mas atenção! É imprescindível ter em mente que defensivos são venenos que contaminam plantas, animais, pessoas e o meio ambiente. O uso deve ser evitado ao máximo e sempre que forem necessários, deve-se contar com orientação de engenheiro agrônomo.

Equipamentos de segurança: luvas, máscara, botas e roupa apropriada para aplicação de defensivos são equipamentos fundamentais. Cuide da sua saúde.


Textos de Rosalba Matta Machado.Conforme a Lei 9.610/98, é proibida a reprodução total e parcial ou divulgação comercial sem a autorização prévia e expressa do autor (artigo 29). Todos os direitos reservados.

Using Format